sexta-feira, 3 de junho de 2016

O estudante

Será que realmente tem uma idade certa para estudar? Você se acha velha ou velho demais, para voltar ao estudos? 

 

Filme: Primeiro aluno da classe

 Recomendo esse filme :)

Além da sala de aula

Filme que indico. Bom filme a todos =D

Estagio Supervisionado - Ensino Fundamental I

Olá, tudo bem com vocês?


Vou disponibilizar meu segundo estágio, para ter uma noção de como é, mas, lembrando que sempre busque orientação com a sua professora, pois sempre alguma norma a se seguir está em mudança. Neste estágio tirei 8,5.

Estagio Supervisionado - Ensino Fundamental II

Olá, tudo bem com vocês?

Vou disponibilizar meu segundo estágio, para ter uma noção de como é, mas, lembrando que sempre busque orientação com a sua professora, pois sempre alguma norma a se seguir está em mudança. Neste estágio tirei 9,0.

Arte, Criatividade e Recreação


Caderno de Atividades com Gabarito
 

SLIDES
Tema 1: A Importância das Artes na Infância
 
Tema 2: Pintura - Experiência Lúdica com as Cores
 
Tema 3 - Brincadeira - Do Faz de Conta à Representação Teatral
 
Tema 4: Teatro - A Magia e o Encantamento na Infância
 
Tema 5:Música - Som, Toque e Movimento
 
Tema 6: Dança - Corpo e Movimento
 
Tema 7:As Artes, o Meio Sociocultural e os Temas Transversais
 
Tema 8: Miscelânea Artística - Juntando Tudo
 

domingo, 5 de abril de 2015

Ensino Fundamental de Nove Anos

Olá, como vão vocês?
Eu estava tendo dificuldades com esse tema, e lendo o livro foi bem melhor a compreesão, e acabei desenvolvendo esse texto.


http://www.google.com.br/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&source=images&cd=&cad=rja&uact=8&ved=0CAcQjRw&url=http%3A%2F%2Feditoraavercamp.com.br%2Flivros%2FEnsino%2520Fundamentel%2520Nove%2520Anos.html&ei=lqIhVYWmI9HlsATIv4HIBw&bvm=bv.89947451,d.cWc&psig=AFQjCNFXWXHBIh1h3sbHMPgJRNW474KLdQ&ust=1428354026192483


Ensino Fundamental de Nove Anos e a Legislação Educacional Brasileira
 
             O cenário da educação básica nas séries inicias do Ensino Fundamental, no século XX apresentava altos índices de reprovações. E uma medida foi apurada pela mudança da LDB 9394/1996 art. 6ª.
            A ampliação do Ensino Fundamental de oito para nove anos foi por meio da Lei nº 11.114/2005, propondo que diminuísse de sete para seis anos ao ingressar nas séries iniciais, obtendo os pais ou responsáveis o compromisso de efetuarem a matricula da criança um ano mais cedo. Depois de nove meses foi aprovado a Lei 11.276/2006, apoiando o novo método de ensino tornando obrigatório, para que não houve-se uma mudança drástica nas escolas, estendeu então o prazo até 2010, sendo o Estado, município e distrito federal.
            O art. 6ª da LDB, mostra umas das grandes responsabilidades, ou seja, o Poder Público deve garantir o número de vagas para todas as crianças. Só que há um problema, caso não tenha vagas o suficiente para eles, o Ministério Público pode chamar à atenção do Poder Público exigindo a entrada no Ensino Fundamental.
            O PNE (Plano Nacional de Educação), Lei nº 10.172/2001 afirma com disposição da implantação do ensino de nove anos, com o objetivo de oferecer mais oportunidades aprendizagem e assegurar a criança mais cedo para nível mais de escolaridade. De maneira indireta com a diminuição da popularização das crianças na Educação Infantil, tornou-se viável economicamente, mas investindo e atingindo outros objetivos e metas neste ensino. Como o PNE não interfere da organização orçamentária, será difícil atingir as metas oferecidas e o atendimento pedidos pelo PNE, tanto na Educação Infantil quanto na Educação Fundamental de nove anos.
            Com os altos níveis de evasão e repetência, ao estender a duração da Educação Fundamental, a responsabilidade aumenta muito, tanto para os educadores quanto para os pais. Com a entrada da criança de seis anos, mudança de ensinar foi alterada, pois precisa-se de métodos diferentes para que não seja um “peso”, pois ainda estão em uma fase de adaptação de estudo.
O Censo Escolar 2005, realizado pelo Instituto Nacional de Estudo e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) mostra que o índice de evasão no Ensino Fundamental brasileiro era de 7,79% - em números absolutos significava 2.648.326 alunos. A taxa de repetência nesse nível de ensino, por sua vez, era de 12,83%, ou 4.363.909 alunos. Já no Censo Escolar 2006 houve redução de 0,8% na taxa de abandono, mas a taxa de reprovação permaneceu em torno de 13% (Cf. BRASIL, 2005 e 2006).
            A reprovação ainda é um desafio para os educadores.
            Embasando nesses dados o MEC fez dois documentos: em 2004 lançou sobre o Ensino Fundamental de Nove Anos: Orientações Gerais, e em 2006 o Ensino Fundamental de Nove Anos: Orientações da Criança de Seis Anos, esses documentos é de suma importância, contendo esclarecimentos de dúvidas, como funciona o sistema do ensino de nove anos.
            Com a implantação do ensino de nove anos, para Gorni significa:

[...] uma tendência positiva de existência de um movimento de busca de aprimoramento do processo em desenvolvimento (universalização do acesso ao Ensino Fundamental), quanto apenas a ocorrência de mais uma ação pontual de cunho político, com vistas a introduzir uma simples mudança estrutural que pouco ou nada vai interferir na qualidade da educação ofertada neste nível de ensino. À medida que uma ou outra das possibilidades vai ser alcançada depende, em grande parte, da maneira como a proposta chegue às escolas e seja nelas aprendida, analisada e, em decorrência, implementada. Assim, o processo de conscientização, envolvimento e comprometimento dos educadores que atuam nas diferentes instâncias educacionais com a concretização desta proposta deve ser o grande diferencial para que a mesma produza bons resultados (GORNI, 2007, P.69).
           
  Apesar de ser uma postura da tomada pela política, deve-se ser bem analisada em questão da educação e que rumos seguir.
            Política desigual na visão de Dourado:

De um cenário ambíguo, no qual um conjunto de programas parece avançar na direção de políticas com caráter inclusivo e democrático, enquanto, de outro lado, prevalece a ênfase gerencial, com forte viés tecnicista e produtivista, que vislumbre nos testes estandardizados a naturalização do cenário desigual em que se dá a educação brasileira (DOURADO, 2007, p. 928).

            Portando é importante para o educador, conhecer bem a turma, observar se a estrutura da escola e materiais, se a demanda corresponde o que ao que a política propôs.
            Depois dessas mudanças políticas educacionais, a formação de docentes estaria ganhando mais atenção, o que mudou um pouco nos cursos de pedagogia para se adaptarem com o novo ensino para as crianças de seis anos. Os materiais didáticos são diferentes para ensinar, na qual a situação levou uma reelaboração do currículo do Ensino Fundamental. Com essa mudança toda, mostra-se o valor da democratização do ingresso a escola, dando oportunidade os carentes, mas não é só esse ponto de vista que é importante, e sim a qualidade de ensino aprendizagem, o objetivo é o sucesso escolar.


A Criança de Seis Anos no Ensino Fundamental: Considerações Iniciais


            Na antiguidade, a idade média, não existia a escrita que hoje chamada de infância, nem imagem social e cultura.
            Segundo o MEC, (BRASIL, 2004, p.17) a justificativa dessa implantação e ensino é “assegurar a todas as crianças em um tempo mais longo de convívio escolar, maiores oportunidades de aprender e, com isso, uma aprendizagem mais ampla”.
            No entanto, isso quer dizer que, caso o docente não compreender o trabalho proposto para esse ano a mais, consequentemente estará diminuindo uma fase muito importante.
            Uma atividade importante para o desenvolvimento na educação com a criança de seis anos, é com o projeto de trabalho.

Um projeto de trabalho deve partir de um tema-problema que favoreça a análise, a interpretação e a crítica; que estabeleça conexões entre os fenômenos e questione a ideia de uma versão única da realidade; que favoreça a formação de atitudes de participação e reconhecimento de outro; que recupere uma série de capacidades que nossa cultura tende menosprezar (MENDONÇA, 2003).

            Dessa forma, trabalhando com temas problemas, é possível despertar a curiosidade do aluno, o desenvolvimento físico, o conhecimento, entre outros.  Integrando as disciplinas de Geografia, História, Língua Portuguesa, Educação Física, Ciências e Artes.
 
 
Referências bibliograficas
BRANDÃO, Carlos da Fonseca; PASCHOAL, Jaqueline Delgado, et al. Ensino Fundamental de Nove Anos: Teoria e Prática na Sala de Aula. São Paulo: Avercamp, 2009. 

domingo, 29 de março de 2015

Meu estágio supervisionado educação infantil

Olá pessoal, como vocês estão?

Eu vou disponibilizar o meu primeiro estágio supervisionado, que é sobre a Educação Infantil, para terem uma noção de como que faz. Foi avaliado em 9,5. Vou deixar o link abaixo, para fazer o download;

Clique aqui para ver

Fundamentos e Metodologia do Ensino Fundamental

Tema 1: Enfocando o sistema educacional: o cenário de mudanças
 
Tema 2: Revisitando o Ensino Fundamental: avanços e perspectivas do ensino de nove anos.
 
Tema 3 - Lançamento as Bases de um Currículo Diversificado: Novas Concepções sobre o Trabalho em Sala de Aula.
 
Tema 4: A escola de ensino fundamental como espaço de aprendizagem: movimentos de renovação pedagógica.
Tema 5: O professor do ensino fundamental de nove anos: os desafios da docência.
 
Tema 6:O aluno do ensino fundamental: o processo de aprendizagem como centro da prática pedagógica.
 
Tema 7: A metodologia como forma de concretizar o trabalho docente.
 
Tema 8: Avaliação escolar: impasses e avanços